País
Idioma
Bandera
Brasil

REVISÃO NOS PNEUS É ESSENCIAL ANTES DE PEGAR A ESTRADA NO FERIADO

Segunda-Feira, 05/09/2011

Conferir a pressão, calibrar e realizar o rodízio periódico dos pneus garante maior segurança e menor consumo de combustível

Para aproveitar o feriado de Independência do Brasil, nesta quarta-feira (7), programe a revisão de um grupo básico de itens do veículo como filtros e óleo do motor, água do radiador, sistemas de freio e de suspensão, bateria, faróis e palhetas do limpador do pára-brisa. E não se esqueça dos pneus, que apesar de grande importância, nem sempre são lembrados pelos motoristas, conforme pesquisas.

De acordo com José Carlos Quadrelli, gerente geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone, os pneus são, em última análise, o elo entre o veículo e o solo e muito da estabilidade e segurança do veículo vem deles. Os pneus são fundamentais para o aproveitamento total das características de vários sistemas do veículo: suspensão, transmissão, tração, direção e frenagem. "Eles exercem influência direta em praticamente todo o comportamento dinâmico de um carro. A calibragem correta é item essencial tanto para a boa condição de rodagem, como para o menor desgaste, boa dirigibilidade e menor consumo de combustível - portanto, reduzindo a emissão de CO2 na atmosfera. Enfim, pneus em boas condições favorecem a segurança do motorista e dos passageiros", explica o engenheiro. Segurança

Conferir a pressão dos pneus semanalmente é uma recomendação das montadoras. A prática, porém, não é seguida por boa parte dos motoristas. No entanto, andar com os pneus com sua pressão abaixo da especificada, compromete o desempenho previsto em seu projeto, causa desgaste prematuro ou deformação de seus componentes e compromete a segurança do motorista e dos passageiros.

Pesquisa realizada pela Bridgestone,maior fabricante mundial de pneus, apontou que um em cada cinco motoristas dos principais países latino-americanos dirige habitualmente com baixa pressão em pelo menos um dos pneus de seu carro. A pesquisa também detectou que um em cada sete motoristas dirige em situação de risco por deixar os pneus com pressão abaixo do limite mínimo de segurança (9 psi abaixo do recomendado).

Como resultado, os motoristas desperdiçam anualmente 100 milhões de litros de combustível. Os números também refletem na emissão extra de 236 milhões de kg de CO2 na atmosfera.

Estas pesquisas anuais fazem parte da campanha "Torne Seu Carro Ecológico", iniciativa conjunta entre a Bridgestone e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

"A baixa pressão de inflação dos pneus pode acarretar vários danos ao veículo: perda de aderência, risco de detalonamento (quando o pneu "desencaixa" da roda), deterioração da estrutura interna do pneu devido ao aquecimento extremo durante a rodagem, instabilidade, maior esforço do motor e, consequentemente, aumento do consumo de combustível, o que resulta ainda na emissão de maiores quantidades de CO2", explica Quadrelli. Além disso, o limite de desgaste permitido por lei é de 1,6 milímetro de profundidade do sulco do pneu. Ao atingir esse patamar, segundo o engenheiro, a velocidade para que o carro perca a aderência sobre superfícies molhadas (aquaplanagem) é reduzida em 40%, aumentando significativamente a possibilidade de um acidente.

Quadrelli reforça ainda que é preciso seguir a calibragem dos pneus indicada pelo manual do proprietário do veículo, que em alguns casos também é encontrada no lado de dentro da tampa do bocal de combustível ou em outros pontos internos da carroceria. Outra medida simples é fazer o rodízio de pneus - inversão das posições entre os dianteiros e os traseiros - que tem por função equalizar o desgaste e garantir uma vida longa e uniforme a eles. "O ideal é fazer o rodízio periodicamente, de acordo com o manual do veículo. Na falta deste, o rodízio pode ser feito a cada oito mil quilômetros para pneus radiais, e a cada cinco mil para os diagonais".

Outra dica importante é que ao adquirir um par de pneus novos, a recomendação é para que sejam instalados no eixo traseiro. "Muitos pensam que os pneus mais novos devem ser colocados na frente, mas é justamente o contrário, porque o risco de um acidente pela falta de aderência no eixo traseiro é sempre maior, visto que o veículo tende a perder a estabilidade, uma condição muito mais difícil para o controle da direção do que quando o pneu perde a aderência nos pneus dianteiros, que causa apenas a perda momentânea da dirigibilidade", explica Quadrelli.

Conheça os dez mandamentos para o uso inteligente do pneu:
1. Calibrar os pneus semanalmente de acordo com a indicação do manual do fabricante do veículo;
2. Fazer o rodízio de pneus. Veículos com pneus radiais a cada oito mil quilômetros rodados e veículos com pneus diagonais a cada cinco mil quilômetros;
3. Evitar sobrecarga no veículo. Excesso de peso compromete a estrutura do pneu e aumenta o risco de danos ou de alterações estruturais importantes;
4. Fazer a manutenção preventiva de todo o veículo. Amortecedores, molas, freios, rolamentos, eixos e rodas atuam diretamente sobre os pneus;
5. Utilizar as medidas de pneus e rodas indicadas pelo fabricante do veículo. As partes do carro foram projetadas para interagirem de forma equilibrada. A utilização de pneus e rodas diferentes altera este equilíbrio;
6. Alinhar a suspensão e balancear os pneus sempre que o veículo sofrer impactos fortes, na troca de pneus, quando os pneus apresentarem desgastes irregulares, ao serem substituídos componentes da suspensão, quando o veículo estiver "puxando" para um lado ou a cada dez mil quilômetros;
7. Utilizar o pneu indicado para cada tipo de solo. Rodar na cidade com um pneu destinado ao uso em terra (fora de estrada) provocará perdas no consumo de combustível, na estabilidade e na durabilidade das peças do veículo;
8. Observar periodicamente o indicador de desgaste da rodagem (TWI). Este indicador, existente em todo pneu, mostra o momento certo para se efetuar a troca, reduzindo o risco de rodar com o pneu careca. O limite de profundidade do sulco do pneu é de 1,6 milímetro;
9. Não permitir o contato do pneu com derivados de petróleo ou solventes. Estes produtos atacam a borracha fazendo com que ela perca suas propriedades físico-químicas e mecânicas;
10. Evitar a direção agressiva, com freadas fortes e mudanças bruscas de direção. Nunca ignore a existência de lombadas, buracos e imperfeições de piso.


REVISÃO NOS PNEUS É ESSENCIAL ANTES DE PEGAR A ESTRADA NO FERIADO

Conferir a pressão, calibrar e realizar o rodízio periódico dos pneus garante maior segurança e menor consumo de combustível

Para aproveitar o feriado de Independência do Brasil, nesta quarta-feira (7), programe a revisão de um grupo básico de itens do veículo como filtros e óleo do motor, água do radiador, sistemas de freio e de suspensão, bateria, faróis e palhetas do limpador do pára-brisa. E não se esqueça dos pneus, que apesar de grande importância, nem sempre são lembrados pelos motoristas, conforme pesquisas.

De acordo com José Carlos Quadrelli, gerente geral de Engenharia de Vendas da Bridgestone, os pneus são, em última análise, o elo entre o veículo e o solo e muito da estabilidade e segurança do veículo vem deles. Os pneus são fundamentais para o aproveitamento total das características de vários sistemas do veículo: suspensão, transmissão, tração, direção e frenagem. "Eles exercem influência direta em praticamente todo o comportamento dinâmico de um carro. A calibragem correta é item essencial tanto para a boa condição de rodagem, como para o menor desgaste, boa dirigibilidade e menor consumo de combustível - portanto, reduzindo a emissão de CO2 na atmosfera. Enfim, pneus em boas condições favorecem a segurança do motorista e dos passageiros", explica o engenheiro. Segurança

Conferir a pressão dos pneus semanalmente é uma recomendação das montadoras. A prática, porém, não é seguida por boa parte dos motoristas. No entanto, andar com os pneus com sua pressão abaixo da especificada, compromete o desempenho previsto em seu projeto, causa desgaste prematuro ou deformação de seus componentes e compromete a segurança do motorista e dos passageiros.

Pesquisa realizada pela Bridgestone,maior fabricante mundial de pneus, apontou que um em cada cinco motoristas dos principais países latino-americanos dirige habitualmente com baixa pressão em pelo menos um dos pneus de seu carro. A pesquisa também detectou que um em cada sete motoristas dirige em situação de risco por deixar os pneus com pressão abaixo do limite mínimo de segurança (9 psi abaixo do recomendado).

Como resultado, os motoristas desperdiçam anualmente 100 milhões de litros de combustível. Os números também refletem na emissão extra de 236 milhões de kg de CO2 na atmosfera.

Estas pesquisas anuais fazem parte da campanha "Torne Seu Carro Ecológico", iniciativa conjunta entre a Bridgestone e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

"A baixa pressão de inflação dos pneus pode acarretar vários danos ao veículo: perda de aderência, risco de detalonamento (quando o pneu "desencaixa" da roda), deterioração da estrutura interna do pneu devido ao aquecimento extremo durante a rodagem, instabilidade, maior esforço do motor e, consequentemente, aumento do consumo de combustível, o que resulta ainda na emissão de maiores quantidades de CO2", explica Quadrelli. Além disso, o limite de desgaste permitido por lei é de 1,6 milímetro de profundidade do sulco do pneu. Ao atingir esse patamar, segundo o engenheiro, a velocidade para que o carro perca a aderência sobre superfícies molhadas (aquaplanagem) é reduzida em 40%, aumentando significativamente a possibilidade de um acidente.

Quadrelli reforça ainda que é preciso seguir a calibragem dos pneus indicada pelo manual do proprietário do veículo, que em alguns casos também é encontrada no lado de dentro da tampa do bocal de combustível ou em outros pontos internos da carroceria. Outra medida simples é fazer o rodízio de pneus - inversão das posições entre os dianteiros e os traseiros - que tem por função equalizar o desgaste e garantir uma vida longa e uniforme a eles. "O ideal é fazer o rodízio periodicamente, de acordo com o manual do veículo. Na falta deste, o rodízio pode ser feito a cada oito mil quilômetros para pneus radiais, e a cada cinco mil para os diagonais".

Outra dica importante é que ao adquirir um par de pneus novos, a recomendação é para que sejam instalados no eixo traseiro. "Muitos pensam que os pneus mais novos devem ser colocados na frente, mas é justamente o contrário, porque o risco de um acidente pela falta de aderência no eixo traseiro é sempre maior, visto que o veículo tende a perder a estabilidade, uma condição muito mais difícil para o controle da direção do que quando o pneu perde a aderência nos pneus dianteiros, que causa apenas a perda momentânea da dirigibilidade", explica Quadrelli.

Conheça os dez mandamentos para o uso inteligente do pneu:
1. Calibrar os pneus semanalmente de acordo com a indicação do manual do fabricante do veículo;
2. Fazer o rodízio de pneus. Veículos com pneus radiais a cada oito mil quilômetros rodados e veículos com pneus diagonais a cada cinco mil quilômetros;
3. Evitar sobrecarga no veículo. Excesso de peso compromete a estrutura do pneu e aumenta o risco de danos ou de alterações estruturais importantes;
4. Fazer a manutenção preventiva de todo o veículo. Amortecedores, molas, freios, rolamentos, eixos e rodas atuam diretamente sobre os pneus;
5. Utilizar as medidas de pneus e rodas indicadas pelo fabricante do veículo. As partes do carro foram projetadas para interagirem de forma equilibrada. A utilização de pneus e rodas diferentes altera este equilíbrio;
6. Alinhar a suspensão e balancear os pneus sempre que o veículo sofrer impactos fortes, na troca de pneus, quando os pneus apresentarem desgastes irregulares, ao serem substituídos componentes da suspensão, quando o veículo estiver "puxando" para um lado ou a cada dez mil quilômetros;
7. Utilizar o pneu indicado para cada tipo de solo. Rodar na cidade com um pneu destinado ao uso em terra (fora de estrada) provocará perdas no consumo de combustível, na estabilidade e na durabilidade das peças do veículo;
8. Observar periodicamente o indicador de desgaste da rodagem (TWI). Este indicador, existente em todo pneu, mostra o momento certo para se efetuar a troca, reduzindo o risco de rodar com o pneu careca. O limite de profundidade do sulco do pneu é de 1,6 milímetro;
9. Não permitir o contato do pneu com derivados de petróleo ou solventes. Estes produtos atacam a borracha fazendo com que ela perca suas propriedades físico-químicas e mecânicas;
10. Evitar a direção agressiva, com freadas fortes e mudanças bruscas de direção. Nunca ignore a existência de lombadas, buracos e imperfeições de piso.

NOTICIAS DESTACADAS
OIAPOQUE & CHUÍ
PASSEIO OFF ROAD ATÉ A PRAIA
PROGRAMA DE AGENCIAMENTO DE FRETE SEGURO
ARRIBA
Otras noticias
Expandir
Noticia1
ADVENTURE COM PATROCÍNIO BRIDGESTONE
Noticia1
BRIDGESTONE RECEBE CERTIFICAÇÃO
Noticia1
ADVENTURE COM PATROCÍNIO BRIDGESTONE
Noticia1
BRIDGESTONE RECEBE CERTIFICAÇÃO
Noticia1
PASSEIO OFF ROAD ATÉ A PRAIA
Noticia1
ADVENTURE COM PATROCÍNIO BRIDGESTONE
Noticia1
PASSEIO OFF ROAD ATÉ A PRAIA
Noticia1
ADVENTURE COM PATROCÍNIO BRIDGESTONE

Bridgestone do Brasil: Av. Queirós dos Santos, 1717, Casa Branca – Santo André/SP – 09015-901 | SAC: 0800 016 17 18 ou SACBR@la-bridgestone.com
Recomendamos o uso do Internet Explorer 8.0, Firefox 3 ou superior em uma resolução de 1024 x 768 ou superior